Notícias

Jogos de Tabuleiros do IFB: Encontro do lúdico com a aprendizagem

publicado: 30/08/2019 11h43, última modificação: 30/08/2019 14h51
48644102232_6dee493ef5_o.jpg

- Foto:

A 4ª edição do ConectaIF apresentou vários protótipos durante todos esses dias no projeto Fábrica de Ideias (FABIN). Os resultados envolveram também jogos pedagógicos desenvolvidos por professores e estudantes em todos os campi. De forma lúdica, professores do Instituto Federal de Brasília (IFB) têm inovado em suas atividades diárias com diferentes temáticas e disciplinas em sala de aula.

Os jogos foram um atrativo a parte também no espaço Qualific Express com destaque para o jogo de “Matemática na Vida”. Uma proposta de cunho pedagógico desenvolvido pelos professores da equipe do IFB/ Campus Gama, sob a orientação da professora Rosana de Andrade.

A experiência tem sido bem sucedida no aprendizado. A estudante Cíntia Castilho, discente do segundo ano do curso Técnico em Hospedagem do Campus Riacho Fundo I, conta que ficou bem mais fácil aprender com a proposta do Blá-Blá Tuh, jogo voltado para a área. “O jogo me ajudou a aprender melhor os termos e o vocabulário usual na área de hotelaria e o uso do raciocínio lógico e da memorização”, contou, animada.

Felipe Barbosa, também do segundo ano do curso de Hospedagem do Campus Riacho Fundo, acredita que a participação dos estudantes na elaboração do jogo pedagógico também fez a diferença. “Conseguimos aprender termos de diferentes segmentos que vão além do Turismo e que provavelmente nunca teríamos estudado ou sequer ouvido falar durante o nosso processo de formação técnica”, declarou.

Já a turma do IFB/Campus Planaltina apresentou o “Jogando com Artrópodes do Cerrado”, uma proposta em que os alunos pensaram para trabalhar o conteúdo extenso de Biologia para o ensino médio. “Dentro dos artrópodes há muitas espécies e, de uma maneira lúdica, os alunos propuseram o detalhamento e complexidade do conteúdo por meio do jogo. É uma proposta até de profissionalização, como futuros docentes que um dia serão”, explicou a professora Thiara de Almeida Bernardes, responsável por essa atividade no Fabin.

A atividade é tão estimulante para o desenvolvimento da disciplina, que serve até mesmo de termômetro para melhorar o aprendizado e reforçar os conteúdos em classe. “A proposta tira o aluno do seu processo passivo de aprendizagem e amplia nossa capacidade de conhecer o tema a ser explorado”, explicou a estudante de Licenciatura em Biologia Larissa Gonzaga Ferreira.

Confira alguns jogos pedagógicos e conheça os pesquisadores responsáveis pelos projetos. 

Matemática na Vida (professora Rosana de Andrade, IFB/Campus Gama) — Proposta pedagógica de Matemática que visa estimular o conhecimento na disciplina e facilitar o aprendizado dos estudantes. 

Blá Blá Tuh (professora Jammilly Mikaela Fagundes Brandão, IFB/Campus Riacho Fundo) — Jogo Pedagógico inspirado no “Jogo da Forca”, que tem como objetivo levar os alunos a aprenderem de forma divertida os termos técnicos da área de Turismo e Hotelaria e a memorizarem o código fonético internacional, bastante utilizado nos meios de hospedagem e nas empresas turísticas.  Os participantes precisam acertar uma palavra que, neste jogo, se refira a um termo técnico da área de turismo e hotelaria e, no momento, sugerir as letras que formam o termo técnico. Para isso deve ser utilizado o código fonético internacional, ou seja, ao invés de os jogadores falarem A, B, C..., tentando adivinhar a palavra, eles devem falar alfa, bravo, Charlie..., isto é, o código fonético internacional referente a cada letra do alfabeto.

Jogando com Artrópodes do Cerrado (professora Thiara de Almeida Bernardes, IFB/Campus Planaltina) Jogo Didático composto por cartas sobre Artrópodes do Cerrado para despertar o interesse nas áreas de Biologia e de Ciências, para o qual foi feita uma pesquisa minuciosa sobre os principais representantes dos subfilos Crustacea, Myriapoda, Hexadoda e Chelicerata.

Jogo dos Biomas Gastronômicos (professora Ana Paula Jacques, IFB/Campus Riacho Fundo)  Utiliza elementos de engajamento e criatividade para despertar o interesse dos estudantes sobre biodiversidade, tradições, patrimônio e elementos relacionados à cultura alimentar brasileira. Formado por uma plataforma de referências culinárias, que ampliam o conhecimento na criação de cardápios e fortalecem a identidade da gastronomia brasileira, o jogo contribui para a sensibilização dos futuros cozinheiros, empreendedores e profissionais que atuarão no setor.

Tabuleiro Educativo Infantil (professor Marlon Marques Soudré, IFB/Campus Taguatinga) A ideia é unir as atividades de encaixe, já bastante exploradas por brinquedos educativos que trabalham a percepção de espaço, identificação de símbolos, cores e a coordenação das crianças. Tudo isso aliado ao conceito da robótica, programação e pensamento computacional, com o intuito de estimular o raciocínio lógico, a criatividade e as noções de causa e efeito em crianças entre 3 e 6 anos de idade.

Cirurgião 2.0 (professor Alessandro Pinheiro, IFB/Campus Ceilândia) — Tendo como ponto de partida o princípio do jogo O Operador e com o auxílio de uma tecnologia mais moderna, tridimensional e para um grupo a partir de 12 anos de idade (inclusive universitários), o jogo tem como proposta um protótipo mais realístico que desafiará o jogador a relacionar a estrutura anatômica, distribuição real no corpo e o domínio na movimentação manual, e a pinçar estruturas anatômicas previamente identificadas por um microcomputador.

Modelo Didático Tridimensional para o Ensino de Conceitos Ecológicos Fundamentais (professor Francisco das Chagas, IFB/Campus Recanto das Emas) Trata-se de proposta que pretende desenvolver um modelo didático tridimensional simulador de uma paisagem natural, desmontável, funcional, eficiente e de baixo custo. O modelo didático tem por finalidade auxiliar o docente no ensino ativo de conceitos ecológicos fundamentais (habitat, nicho ecológico, migração, invasão biológica, competição e controle biológico). A elucidação prática de tais conceitos, além de desenvolver habilidades científicas, promove maior conscientização ambiental em alunos dos mais variados níveis de ensino.

Jogo sobre África Pré-Colonial (professor Alex Helder Cordeiro, IFB/Campus Recanto das Emas) O projeto tem a intenção de obter os benefícios dos jogos de tabuleiro sem, contudo, ter as limitações que o tabuleiro traz. Para isso, propõe-se a adaptação do produto para jogos digitais. A motivação para realização desse projeto é levar o conhecimento sobre cultura e história da África Pré-Colonial aos usuários (incluindo alunos de ensino médio e fundamental) através de jogos. Neste evento deverá ser apresentado um protótipo dos jogos, com elementos gráficos, uma narrativa inicial, que permitirá algumas movimentações e ações por parte do usuário, e a interação via rede entre mais de um jogador. O jogo será fiel à cultura, tradições, cultura e contexto socioeconômico e político averiguados, pois a finalidade do jogo é disseminar esses conhecimentos.