Notícias

Maria Paula, ex-Casseta e Planeta, fala sobre cultura da paz em bate-papo no ConectaIF

publicado: 29/08/2019 12h23, última modificação: 30/08/2019 12h16
WhatsApp Image 2019-08-29 at 12.11.16.jpeg

WhatsApp Image 2019-08-27 at 11.20.19 (1).jpegA ex-Casseta e Planeta Maria Paula, atualmente Embaixadora da Paz, falou sobre a cultura da paz aos participantes do ConectaIF 2019 na manhã desta quinta-feira (29), no Palco Cultural. De forma espontânea e descontraída, a psicóloga, atriz e apresentadora abordou temas, como autorresponsabilidade, cultura da paz, perdão, compaixão, relações não-violentas, coragem e confiança.

Durante o bate-papo, Maria Paula defendeu que a paz seja a base para qualquer tipo de discurso. Sua conversa girou em torno da reflexão: “O que podemos fazer para promover o bem, a paz?” Segundo ela, ao contrário do que se pensa de forma geral, a paz não é estado passivo, mas, sim, ação. “O tempo todo a gente tem o poder de causar impacto na vida das pessoas; então, que tipo de pessoa você vem sendo, a que traz luz ou sombra?”, questionou.

WhatsApp Image 2019-08-28 at 11.42.52 (1).jpegMaria Paula acredita que estamos em uma época de muitos conflitos e voltados ao individual, mas que é importante focarmos no coletivo, em prol da construção de uma cultura de paz. “A paz não está posta, mas é uma construção diária, feita de auto-observação, reflexão e vontade de ser melhor”, afirmou.

 

 

Em sua fala, ela trouxe algumas chaves para que todos possam construir um ambiente de paz. Uma delas é a chave de pausa, a tentativa de se manter em um lugar neutro (de equilíbrio) mesmo diante da agressão. A chave da dualidade/dicotomia refere-se à tentativa de não julgar o outro diferente. Além disso, Maria Paula trouxe a importância do refinamento na tomada de decisões. “Eu escolho estar do lado de quem me puxa pra cima; não permito relações tóxicas na minha vida, porque me desestabilizam”, disse a humorista.

Outra questão abordada pela apresentadora foi a chave da acusação/julgamento, que consiste em apontar o outro ou responsabilizá-lo pelas suas reações/atitudes. Finalizando, a chave do agora, que traz o presente como segredo para a realização, foi abordada por Maria Paula, ante a defesa da necessidade de acolher e perdoar o agressor.

Arte, cultura e mais

WhatsApp Image 2019-08-27 at 15.46.47 (1).jpegDurante todo o ConectaIF, que segue até 30 de agosto, diversas peças teatrais, apresentações musicais, exposições de arte e intervenções literárias acontecem de forma gratuita e aberta ao público externo. Na tarde da última quarta-feira (28), por exemplo, foi realizada uma peça intitulada “O violinista mosca-morta”, da Cia Burlesca, no auditório do Bloco C. Dezenas de pessoas ocuparam o espaço, riram e aplaudiram o ator que estava em cena representando um palhaço aprendiz de violino. O mesmo espetáculo será apresentado novamente nesta sexta-feira (30), às 10h.

No palco perto da cantina, diversos grupos de alunos do IFB apresentaram-se em performances de dança e canto. Na segunda-feira (26), o projeto Música e Cidadania, que oferece ensino gratuito de música, realizou uma performance de orquestra sinfônica muito elogiada pelos ouvintes.

Já no palco cultural localizado ao lado da cantina, a programação do ConectaIF reuniu grupos de música do APAE/DF, grupos de samba e bossa-nova, de rock, de Música Popular Brasileira, de jazz, entre outros gêneros musicais. A programação tem início à tarde e estende-se até o período da noite.

WhatsApp Image 2019-08-28 at 15.14.09.jpeg